Project thumb small 1381668 491586707615153 676515672 n

ALENCAR

Um projeto de Cinema e Vídeo por Monique Lemos 

Loading
Loading
Loading

. [ENGLISH VERSION BELOW]

ALENCAR é um documentário sobre as memórias de Monique em relação à Poliomielite do tio, Washington Alencar. Sobre o quanto ela influenciou a história de sua família, como reflete no espaço e como está gravada no tempo.

Nasceu a partir de uma proposta de exercício de documentário da Academia Internacional de Cinema, em 2012, quase se transformou em um longa e, depois de um ano de pesquisa e preparação encontrou sua essência e deseja ser um curta-metragem.

POR QUÊ?

Resolvi fazer o filme quando tomei consciência da minha admiração pelo meu tio, que é portador de poliomielite aguda desde os seis anos de idade e há cinco anos, aos 49, sofre de Síndrome Pós-Poliomielite e, em todo esse tempo, nunca reclamou de sua condição ou de dor. Me ensinou o valor das pequenas coisas da vida, da relação com a natureza e os animais, a importância de cada passo, de cada palavra na literatura, de cada vinil, de cada abrir dos olhos pela manhã. Assim como minha avó e mãe me fizeram compreender a potência e grandiosidade do amor materno e a necessidade de sacrifícios em nome do amor incondicional numa família.

O título faz referência ao meu avô Alencar, pai de Washington que leva o nome dele como seu segundo e são os únicos Alencares da minha vida. Não conheci o meu avô, nem meu tio na época em que sofria com a poliomielite. Por isso o título, por isso o filme: sobre o avô que eu não conheci, a doença que não acompanhei, o espaço que não habitei, mas as cicatrizes que encontrei e aceitei como minhas e parte da minha história, que me foram impostas, que aprendi a conviver e, hoje, impregnadas em minha pele e mente, reflito sobre.

Pretendo promover visibilidade para a Síndrome Pós-Poliomielite, uma desordem neurológica degenerativa que atinge entre 1% e 1,6% das pessoas que são portadoras de poliomielite aguda há mais de 15 anos. Foi descoberta em 2004 pelo Hospital São Paulo e ainda não tem cura. Além de trabalhar as consequências que uma doença de longa duração causa na história de uma família e pessoas próximas.

O FILME

Acompanha três integrantes da família Lemos em um espaço comum a todos eles, onde cresceram e viveram boa parte de suas vidas. Washington, um cadeirante falador, Nina, uma senhora diabética porém doce e Beth, cansada de carregar o mundo nas costas. E liga as cicatrizes do espaço caótico, as vinte e uma cirurgias marcadas na pele de Washington, as pálpebras pesadas de Nina e o corpo depressivo e cansado de Beth.

O DINHEIRO

O dinheiro será utilizado na locação de equipamentos de câmera, luz e som de qualidade, alimentação e transporte de uma equipe que vai trabalhar sem cachê mas com todo o amor, finalização de som e imagem, cópias dos DVDs, envio para festivais nacionais e internacionais e distribuição das recompensas do Catarse para quem ajudar na realização do projeto.

A EQUIPE:

Direção - Monique Lemos Produção - Monique Lemos e Beth Lemos Fotografia - Felipe Pahor e Monique Lemos Still - Mariana Figueiredo Som - Ingrid Evangelista e Isadora Torres Edição - Danilo Santos Design Gráfico - Ramon Rios Tradução - Vanessa Arnaud

E vocês! (:

"O tempo é a substância de que sou feito." Jorge Luis Borges


ALENCAR is a documentary about Monique’s memories about her uncle, Washington Alencar, and his journey throughout his poliomyelitis. The central theme is about how the disease affected the whole family, how it changed the family’s notions of life and how it got registered on time. The movie idea was born from an exercise proposed by Academia Internacional de Cinema, in 2012, and almost became a full-length movie. After a year of research and preparation, we found out which essence was ideal for it and decided it would be a short film.

WHY?

I decided to make the movie when I realized how much I admired my uncle, who suffers from poliomyelitis since he was six years old and, now, 49 years old, suffers from after-poliomyelitis syndrome. During this whole time, he has never complained about his condition or any kind of pain. Living with him was a way of learning about the value simples things have, about the nature and the animals, about the importance of each step, each word in literature, each song, each time we open up our eyes in the morning. My mom and my grandma also taught me a lot about maternal love and about how it is necessary to sacrifice ourselves for the ones we love to be a real family.

The title is a reference to my grandfather, Washington’s father, who gave his name to the son as a second name. Both of them are the only Alencar’s in my life. I never met my grandfather, as well as I didn’t watch my uncle going through the poliomyelitis. That’s the reason why I chose this title, that’s why I decided to make a movie: that’s all about the grandfather I didn’t meet, the disease I didn’t accompany, the places where I’ve never been, but all the scares I found and took as mine and as part of my own history. I had to live with these scares, I learned how to accept and deal with them. Now, with them steeped on to my skin and mind, I think about it.

My prior intention is to call attention to the after-poliomyelitis syndrome, a degenerative neurologic disorder that affects from 1% to 1.6% of the population with poliomyelitis for more than 15 years. The syndrome was discovered in 2004 by Hospital São Paulo and still has no cure. Besides that, I want to explore the consequences of a long term disease on the history of a family.

THE MOVIE

The movie accompanies three members of Lemos’ Family in a common place, where they grew up and lived during huge part of their lives. Washington, the loquacious deficient, Nina, the diabetic and sweet lady, and Beth, tired of carrying the whole world on her own. The documentary connects the scares, the twenty one surgeries marked on Washington’s skin, the tired eyelids of Nina and the depressive and frazzled body of Beth.

THE MONEY

The donations will be used to locate quality equipment as cameras, illumination and sound, to feed and support transport to the team, that’s going to work for no payment, but with too much love, to finish and improve sound and image, to make copies of DVDs, to send our work to national and international festivals, and to distribute the recompenses offered to everybody who helps us realizing this project.

Loading